Nem mesmo o tempo seco, que prejudicou o trabalho de campo em várias regiões e derrubou a oferta, conseguiu impedir a queda no preço da mandioca. Tudo porque o ritmo de processamento nas indústrias é baixo, sem contar que várias delas simplesmente suspenderam a moagem, até que volte a ter mais raiz disponível. Com isso, o Cepea apurou que o valor da tonelada, na última semana, caiu para 309 reais. Há um ano, a cotação era 30 por cento maior.

No atacado da carne de boi acontece o contrário. A oferta de animais pra abate também caiu, informa a Scot Consultoria. Só que, mesmo no fim do mês, o preço avançou e muito dono de frigorífico teve que botar a mão no bolso. Na média, os valores no atacado cresceram 0,26 por cento, em uma semana, puxados principalmente pelos cortes dianteiros.

Agora se tem um produto valorizado no País, neste momento, é a soja. O preço médio do mês de agosto é o maior do ano, até agora. O indicador Esalq/BMF&Bovespa, em Paranaguá, avançou mais de dois por cento, nos últimos dias, para quase 90 reais a saca. Com a alta do dólar, a redução da safra e a tendência de uma demanda maior, muito vendedor até saiu do mercado, por apostar em cotações ainda melhores, no futuro.

Fonte: Agência Rádio 2


Ouça a notícia