O Procon de Maringá aplicou um total de mais de R$ 500 mil em multas a quatro distribuidoras de combustíveis por não apresentarem notas fiscais de venda aos postos. A ação integra investigação para apurar porque os postos maringaenses contam com preços superiores aos de outras cidades com mesma distribuição.
No total, 16 empresas distribuem para o estado o combustível da refinaria da Petrobras de Araucária. Pelo princípio da isonomia não podem comercializar o produto com valores diferentes para as revendedoras. Das notas analisadas, a distribuição mantinha os mesmos preços dos produtos aos municípios.
Paralelo ao estudo da precificação de distribuidoras e postos maringaenses, o Procon também dá continuidade a fiscalização em conjunto com o Instituto de Pesos e Medidas (Ipem). Após o lacre de 4 bicos de bomba em quatro estabelecimentos (em um o consumidor perdia cerca de 9 ml a cada litro de etanol) são aguardados os resultados de análise de combustíveis para verificar composição e misturas.
O Laboratório de Análises de Combustíveis da UEM está com as mais de 60 amostras de 16 postos (etanol, gasolina e diesel) e próximos dias finaliza a análise. Dependendo do caso, postos podem ter os alvarás suspensos. A fiscalização prosseguirá e passará por toda rede de 77 postos do município, contando ainda com a colaboração da Receita Estadual para verificação da transmissão de dados e combate à sonegação.
Fonte: Prefeitura de Maringá