Não tem como reconhecermos nada se primeiro não reconhecermos a nós mesmos. Um bebezinho por exemplo, não sabe que existe, pois ele ainda não produziu a consciência da sua existência, que é por onde se manifesta todas as coisas, por isso ele ainda não sabe que existe, e é natural agir por instinto como qualquer outro animal.

Qualquer animal irracional, também não sabe que existe, isto porque eles não produzem consciência de si mesmo. Mas tão somente o ser humano é o único animal que produz a consciência de todas as coisas. A nossa consciência é uma grandeza muito complexa, e a grande maioria não se reconhece como consciência, desconhecendo que ela é um órgão independente do ser humano, e pode se manifestar por si mesma.

Usarei agora de uma comparação para ser mais clara a nossa compreensão. A consciência do ser humano é como um fruto de uma árvore. A laranja, por exemplo, é o fruto da laranjeira, o abacate do abacateiro, a banana da bananeira e a consciência é o fruto do ser humano. Quando nós plantamos uma árvore frutífera, nós esperamos que com o tempo ela venha florescer e em seguida aparecer seus frutos. Quando um ser humano nasce é a mesma coisa, com o tempo ele começa a florescer e em seguida vemos brotar a consciência. A princípio como todo fruto, a consciência também é verdinha, e notamos isto claramente nas crianças, mas com o tempo, ela começa a amadurecer até se tornar madura em suas funções e servir para o proveito, daí é só colhermos e degustá-la. É muito bom quando chegamos diante de uma árvore frutífera que nós gostamos e vermos frutos madurinhos e saborosos para colhermos e degustá-los. Mas sabemos o quanto é desagradável abrirmos um fruto e ele estar podre, não servindo para o proveito.

Lembrando que a nossa consciência tem o poder de pensar, raciocinar, formar idéias, determinar, agir e principalmente manifestar todas as coisas, seria como um espelho que tudo se manifesta por ela, é ela também que sente todas as coisas e pode estar num estado de tormentos ou de paz em questão de segundos. Portanto, vamos cuidar desse fruto, a nossa consciência. Vamos embarcar nesta viagem sóbria e interna e nos reconhecer para frutos bons florescerem.

Related posts: