Contas externas têm superavit de US$ 2,3 bilhões em setembro

As contas externas brasileiras tiveram superavit de US$ 2,3 bilhões em setembro, segundo dados divulgados nesta 6ª feira (23.out.2020) pelo BC (Banco Central). Eis a íntegra (256 KB).

De acordo com a autoridade monetária, esse foi o 6º mês consecutivo de saldo positivo nas transações correntes, que são formadas pela balança comercial (exportações e importações), pelos serviços adquiridos por brasileiros no exterior e pelas rendas, como remessas de juros, lucros e dividendos do Brasil para o exterior.

Em setembro de 2019, as contas públicas tiveram deficit de US$ 2,7 bilhões.

Em comparação com o mesmo mês do ano anterior, houve aumento de US$ 2,1 bilhões no superavit da balança comercial em setembro. O deficit em renda primária foi reduzido em US$ 2,1 bilhões de setembro de 2019 ao mesmo mês deste ano, enquanto o deficit em serviços teve diminuição de US$ 885 milhões.

As contas externas contabilizam deficit de US$ 20,7 bilhões no período de 12 meses encerrado em setembro, o que corresponde a 1,37% do PIB (Produto Interno Bruto). Em agosto, eram US$ 25,7 bilhões de saldo negativo, ou 1,66% do PIB.

INVESTIMENTO DIRETO NO PAÍS

A entrada líquida de investimento direto no país somou US$ 1,597 bilhão em setembro, o que corresponde ao pior resultado para o mês desde 2005. Em setembro de 2019, foram US$ 6,033 bilhões.

A pandemia reduziu o fluxo de investimentos estrangeiros em países emergentes, entre eles o Brasil. No acumulado de janeiro a setembro, o investimento direto no país somou US$ 28,6 bilhões –o pior resultado desde 2009.

Em 12 meses, o investimento direto no país totalizou US$ 50 bilhões, ou 3,31% do PIB. Eram US$ 54,5 bilhões (3,52% do PIB) em agosto.