Paraná pode atrasar vacinação de grupos prioritários após receber menos vacinas do Ministério de Saúde, diz Beto Preto

Estado recebeu cerca de 48 mil doses a menos do que o previsto pela Secretaria de Estado da Saúde. ‘Entendemos que precisamos receber um pouco mais de vacinas’, disse o secretário.

O secretário de Saúde do Paraná, Beto Preto, afirmou que o estado pode ter dificuldades de concluir a vacinação contra a Covid-19 dos grupos prioritários caso o Ministério da Saúde não envie mais doses dos imunizantes.

O Paraná recebeu 265,6 mil doses da CoronaVac e 86,5 mil da vacina de Oxford/AstraZeneca, totalizando 352,1 mil unidades. A expectativa da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) era receber cerca de 400 mil doses, no total.

Beto Preto afirmou que irá encaminhar uma nota técnica ao Ministério da Saúde solicitando maior número de doses ao Paraná com base na distribuição proporcional à população do estado.

“Nós entendemos que a distribuição deve ser equitativa e isonômica principalmente pela população. Independentemente de termos grupos, neste momento, de profissionais da saúde, o Paraná não tem números menores. Entendemos que existe aí um número grande para ser recomposto. Caso contrário, teremos dificuldades de fechar os grupos prioritários”, disse.

A vacinação contra a Covid-19, no Paraná, começou na segunda-feira (21), após a chegada do primeiro lote da CoronaVac. Até sexta-feira (22), 57,2 mil pessoas tinham recebido a primeira dose do imunizante, em todo o estado.

O secretário argumentou que o Paraná possui vários sistemas de saúde voltados para o combate à pandemia.

“Entendemos que precisamos receber um pouco mais de vacinas, mas dentro da isonomia, dentro de uma equidade, nada mais, para que não exista desequilíbrio”, afirmou Beto Preto.

Imunização no Paraná

O Paraná começou a campanha de vacinação contra a Covid-19 no dia 21 de janeiro, com as 265,6 mil doses da CoronaVac, produzidas pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan.

O estado espera receber mais 240 mil doses do imunizante referentes aos 4,8 milhões aprovados para uso emergencial pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), na sexta.

As primeiras 132.771 doses – metade do lote – foram entregues para Curitiba, região metropolitana e interior na terça (19). Na quinta-feira (21) todos os municípios já haviam iniciado a imunização.

Em relação às doses da vacina de Oxford, a imunização deve ser iniciada na segunda-feira (25), de acordo com a Sesa.

Quem será vacinado na primeira etapa no Paraná?

A primeira remessa recebida na segunda-feira (18), com doses da CoronaVac, vai imunizar, segundo o Ministério da Saúde, 126 mil pessoas no Paraná.

A definição de grupos prioritários seguiu critérios do Ministério da Saúde, como tempo de contato (ou exposição) com os pacientes infectados pela Covid-19 e pessoas com maior risco de complicações pela infecção causada pelo Sars-CoV-2.

O objetivo da Sesa é que as três primeiras fases da campanha sejam realizadas até o fim do 1º semestre de 2021.

  • Primeira fase: trabalhadores da saúde; idosos a partir dos 75 anos de idade; pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência, como asilos e instituições psiquiátricas; população indígena.
  • Segunda fase: pessoas de 60 a 74 anos.
  • Terceira fase: pessoas com comorbidades, que possuem doenças renais crônicas, cardiovasculares, entre outras.

De acordo com o governo estadual, a expectativa é que 4 milhões de pessoas dos grupos prioritários sejam vacinadas até maio.

Segundo a previsão da Sesa, 8 milhões devem ser imunizadas até o final de 2021. A aplicação das demais doses vai acontecer conforme novas remessas cheguem ao estado.