Após volta às aulas na rede estadual, pais, alunos e profissionais reclamam de falta de funcionários em colégios, no Paraná

Segundo semestre teve início no dia 21 de julho; sistema continua híbrido, com a possibilidade de ensino remoto ou presencial.

Após a volta às aulas na rede estadual, alguns pais, alunos e profissionais reclamaram da falta de funcionários em colégios, no Paraná.

Um servidor, que preferiu não se identificar, diz que no colégio onde trabalha os problemas que aparecem todo dia tomaram o lugar das aulas.

“Falta merendeira, falta auxiliar de limpeza, o inspetor e falta o agente administrativo. E como está faltando, o pessoal da limpeza tem que atender a merenda ou outra hora o pessoal da merenda atende a limpeza. O inspetor muitas vezes tem que cobrir outros setores, aí não tem como você monitorar os alunos no pátio quanto ao distanciamento e tudo mais, sabe?”.

Tulla Pereira Fuchs conta que a escola havia informado que os filhos dela – que estão no 6º e no 1º ano do Ensino Médio, no mesmo colégio – poderiam voltar para a sala de aula essa semana. Contudo, isso não aconteceu.

“Dizem que não tem previsão do retorno das aulas porque não tem pessoal da limpeza, dos serviços gerais”.

 

A Secretaria da Educação e do Esporte do Paraná (Seed) afirma que foram feitas diversas reuniões para definir a melhor estratégia de retorno às aulas nas cerca de 2,1 mil escolas do estado e que a retomada só ocorreu nos colégios que estavam prontos, sem qualquer problema.

O diretor de planejamento da secretaria, José Carlos Guimarães, diz que em 94 escolas o recomeço ainda não foi possível.

Embora seja o responsável por elaborar e colocar em prática o plano de retorno, ele admitiu que ainda não sabia dos problemas apontados por pais, alunos e funcionários.

Guimarães ainda afirma que vai precisar de mais tempo para consultar os núcleos regionais e, finalmente, corrigir as falhas que estão atrapalhando a rotina dos estudantes.

“Isso é um fato novo que você está trazendo, nós vamos ter que verificar com os núcleos regionais de educação para entender o que está acontecendo, para saber se é realmente uma necessidade, uma falta de funcionários. Pelo nosso planejamento, as escolas que retornaram são escolas que tem funcionário, tem merendeira, tem agente de limpeza”, pontua o diretor.