Guarda Municipal de Maringá começa a usar armas de fogo

Ao todo, 91 agentes começaram a portar pistolas calibre 380 nesta terça-feira (24). Prefeitura publicou decreto regulamentando o uso do armamento.

Agentes da Guarda Civil Municipal de Maringá, na região norte do Paraná, começaram a portar armas de fogo nesta terça-feira (24). São 91 agentes com pistolas calibre 380 nas ruas, divididos em turnos.

A autorização para o uso do armamento foi publicada na edição do Diário Oficial do Município de segunda-feira (23). O decreto, que regulamenta o porte de armas, traz uma série de regras para o uso das pistolas.

De acordo com as regras, são 11 situações em que os agentes sofrerão suspensão ou cancelamento do porte de arma.

Entre os casos, estão comparecer alcoolizado ou sob efeito de entorpecentes ao trabalho, for diagnosticado com anormalidade psicológica ou usar a arma para fazer trabalhos alheios à função.

“É uma ferramenta a mais, que dá mais segurança ao agente e à população”, diz o secretário municipal de Segurança Pública, Ivan Quartaroli. “Quando a gente ia atender, por exemplo, situações de Maria da Penha, e chegando lá o cidadão estava armado, os agentes tinham que esperar a chegada da Polícia Militar”, diz.

 

A GM de Maringá tem 127 armas de fogo:

  • 100 pistolas calibre 380
  • 14 espingardas calibre 12
  • 13 revólveres calibre 38

A Guarda Municipal foi criada em 2007 e conta com 129 guardas patrimoniais e 125 guardas municipais.

Por enquanto, apenas as pistolas serão usadas nas ruas. Os revólveres e as espingardas permanecerão restritos aos treinamentos dos agentes, segundo o secretário.

A primeira turma de agentes habilitados para o porte de armas de fogo se formou em maio de 2019, após 234 horas-aula com instrutores da 2ª Escola de Formação, Aperfeiçoamento e Especialização de Praças (Esfaep).