Começa a programação da Festa Literária Internacional de Maringá

A edição 2021 da Festa Literária Internacional de Maringá (Flim) está sendo realizada no Centro de Ação Cultural (CAC) que fica no centro da cidade, no cruzamento das Avenidas Getúlio Vargas e XV de Novembro, onde era a Biblioteca Central.

Até domingo, 12, o espaço volta a ser ocupado por centenas de livros. Livros de todos os gêneros literários, para todas as idades e gostos.

Os alunos da rede municipal de ensino foram os primeiros visitantes da Flim. Passeando entre os livros, os pequenos se divertem.

Laura Vitória, de 9 anos, diz que gosta de ler. “Sim gosto bastante. Não [leio] muito, mas leio”, conta a garota.

O importante é ler. E ter exemplares a disposição é um dos primeiros passos para formar um leitor. A diretora de escola Salete Gabriel diz que os alunos ficam maravilhados na Flim.

“As crianças estão gostando muito. Na nossa escola, nós temos esse hábito de encaminhas livros de literatura aos finais de semana para crianças. Eles escolhem os livros e, através da leitura, é uma viagem, nós conhecemos muito. É muito importante. Eu vi muito interesse quando eu falei que nós vínhamos […], ficaram muitos felizes. Amaram. Eles estão maravilhados”, afirma Salete.

A programação da Festa Literária começou nesta quarta-feira, 8, com atividades online e presenciais. São 29 autores e 12 eventos paralelos. Tem contação de história , cursos, oficinas e bate-papo com autores.

E várias editoras participam da feira. Jair Sotoski representa uma empresa com livros à venda na Flim.

“Nós trouxemos vários gêneros, [como] infantojuvenis, infantis, culinária, livro de direito, administração e negócios e literatura em geral, para todos os públicos a partir de R$ 10. Todos os anos a empresa participa, é uma feira boa, traz expectativa, traz resultado e público muito bom”, apinta Sotoski.

Este ano a novidade é que a Flim também ganhou um caráter beneficente porque o visitante que doar um quilo de alimento vai concorrer a um leitor digital. Os aparelhos foram doados pelo Provopar.

O secretário de Cultura, Victor Simião, diz que a equipe da organização está animada com as novidades da Flim este ano.

“A gente está muito animado porque é uma Flim muito diferente daquilo tudo que a gente já fez. Não é 100% online, mas não é 100% presencial. Além disso, é a primeira vez que a gente usa o CAC, o Centro de Ação Cultural, um espaço público e necessário para receber um evento como esse. Nós queremos que as pessoas venham até, de crianças até idosos, e se sintam pertencentes a uma ação voltada ao campo do livro, da leitura e da literatura”, explica Simião.